domingo, 9 de maio de 2010

Feira do Livro de Lisboa, 9 de Maio de 2010 às 15h na Editorial Presença.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

79ª Edição da Feira do Livro do Porto

Mais uma sessão de convívio com amigos e leitores.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Revista "os meus livros"


Agradeço a recensão.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

79ª Edição da Feira do Livro de Lisboa

Lá estarei no sábado, dia 2, a partir das 15h e no domingo, dia 10, a partir das 17h.

Expresso, revista Actual

Agradeço a oportunidade e aceito a classificação, ainda que almejando melhor, mas leio uma sinopse, detida na tal primeira leitura geneológica de que falava o professor Marcelo Rebelo e Sousa, e não encontro a leitura crítica que tanto esperava, positiva ou negativa.

Passatempo Sapo Mulher

Com oferta de 10 livros assinados. Uma boa oportunidade para quem ainda não comprou.

sábado, 25 de abril de 2009

Primeiro Livro, no Jornal de Letras

Aproveito para agradecer à Francisca que retratou a essência de duas horas de conversa, onde procurei explicar, por vezes a mim mesmo, a razão de algumas decisões estéticas e literárias.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Fnac Cascais, 16 de Abril às 18h00


A convite da própria Fnac haverá no dia 16 uma sessão de discussão do livro onde tentarei percorrer com amigos e leitores o caminho que mais lhes aprouver.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Sic Notícias, revista de imprensa

video

Na Sic Notícias falámos de crise, Brasil, Obama, Internet e livros. Mais uma oportunidade para apresentar em 30 segundos a segunda metade do século XX decorrida na demência dos Pereira.

Conversa no Radio Clube Português (best of...)

video

Mais uns minutos de conversa amena. Não existem profissões incompatíveis com a literatura mas quando falo do livro prefiro não tentar explicá-lo como se fosse uma marca pois é sempre mais o que se perde.

terça-feira, 7 de abril de 2009

O autor e o escritor


Tenho dificuldade em entender a arrogância do escritor que tudo sabe, ainda assim preferível à insegurança daquele que de tudo duvida, por vezes até de si mesmo. Autor publicado, e não escritor, por enquanto, pelo imenso respeito e admiração pelos que o são.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Passatempo Maxmen, oferta de 11 livros

Para concorrer é necessário fazer uma chamada para o número indicado e a cada 11 chamadas é oferecido um livro. Apenas uma sugestão.

À volta dos livros, na Antena 1 com Ana Aranha

video

Foi um pouco como querer dizer muito, sem na verdade dizer quase nada. As entrevistas na rádio têm sido estimulantes, sem dúvida uma aprendizagem. Dá a ideia de que as palavras é que mandam em nós.

quinta-feira, 26 de março de 2009

No Blogue do Professor Marcelo

A PÁTRIA DOS LOUCOS. Livro do jovem Bernardo Rodo (Presença). Lancei-o, hoje, na FNAC. Estreia interessante. MRS

O 1º comentário online

http://leiturasdasmarias.blogspot.com/

No seu romance de estreia, Bernardo Rodo, conta-nos a história da família Pereira. Uma história marcada por encontros e desencontros, amores e desamores, por decisões precipitadas com consequências nefastas, e peripécias que por vezes levam à loucura. O avô Pereira contava os dias que faltam para morrer. Dos seus três filhos, um vivia apenas para os livros e acabou cego, outro para a medicina esquecendo-se completamente da esposa (Glória), e Arnaldo decidiu ir para o Brasil construir o seu império. Isabel suicida-se e, na hora em que inicia o acto, arrepende-se… mas já é tarde de mais. A tia Amélia culpa Joana, a irmã mais nova de Sebastião, por tudo o que de mau sucede na família ou na herdade. Mas, o âmago deste romance centra-se na história de dois primos, Sebastião e Alfredo. O primeiro desistiu de exercer medicina, contra a vontade de seu pai, e rumou para o Brasil até casa do tio Arnaldo. Aí, conheceu a índia Luciana de quem teve uma filha, mas não conseguia o seu primeiro e único amor… a jovem Guadalupe que conheceu num bordel. Sebastião começou a viver às custas da tia-avó Aida. Por razões avessas à sua vontade Alfredo teve que abandonar Portugal e rumou para Paris. Não conseguindo dar um rumo à sua vida decidiu ir para a guerra, mas sempre com Judite, o seu amor de infância, no pensamento. As circunstâncias da vida originaram a que os dois primos, que mais pareciam irmãos, estivessem afastados durante anos. Reencontraram-se mais tarde em Luanda durante a guerra. Regressados a Portugal tentam refazer as suas vidas. Mas, por muito que o tentassem, os seus pensamentos não conseguiam esquecer Guadalupe e Judite…Esta história bastante rica em descrições, quer das personagens quer dos locais, vai-se avolumando em termos de curiosidade e suspense à medida que as páginas vão avançando. Os percursos de vida conturbados dos membros da família Pereira vão sendo complementados com personagens fugazes que vêem enriquecer ainda mais a trama. Este foi o primeiro romance do autor. Bernardo Rodo será com certeza um nome a fixar. Agradeço à Editorial Presença ter-me proporcionado tão agradável leitura.

«A loucura é um lugar que nos habita.»

O Lançamento

Com a chancela da Editorial Presença, foi lançado no dia 17 de Março, na Fnac do Chiado, em Lisboa, o livro “A Pátria dos Loucos”, de Bernardo Rodo. A sessão contou com a apresentação do Professor Marcelo Rebelo de Sousa.

Uma promissora estreia é o que nos reserva o primeiro livro de Bernardo Rodo, um autor português que decidiu contar a história de uma família burguesa no decorrer da segunda metade do século XX. Um livro que certamente não ficará indiferente à grande maioria dos leitores, assume-se como um romance literário, não ligeiro, destinado aos leitores amantes de percursos sinuosos. Nas palavras do Professor Marcelo Rebelo de Sousa "o livro está bem escrito, por vezes muito bem escrito, com várias leituras possíveis.” Salienta ainda “um apurado sentido de observação do autor, ao recriar uma época que não viveu, sobre a qual pode apenas ter lido ou ouvido contar.” A história que nos traz Bernardo Rodo é um pouco a de uma época, embora se concentre mais nas pessoas, do que em sociedades ou regimes. Segundo o Professor este é um livro que “contém aventura e romance, as personagens viajam pelo mundo. O livro quase se podia chamar a pátria dos aventureiros, mas a palavra loucos revela melhor o sentimento português" e conclui que este é “um jovem autor com uma maturidade invulgar e espaço para crescer na literatura." Para quem procura autores portugueses emergentes, encontrará n’A Pátria dos Loucos um bom exemplo para sentir o prazer de uma boa leitura.

O Livro

Este romance traz-nos a saga de uma família burguesa na segunda metade do século XX. Centra-se no percurso de dois primos, Alfredo e Sebastião, unidos por uma amizade de irmãos e por uma infância em comum no Alentejo rural, mas separados por destinos divergentes que se vão entrecruzando no decorrer dos anos. As vidas da família Pereira descrevem o rumo a uma loucura que mais não é que o desabar dos sonhos face à realidade quotidiana. Uma prosa inovadora e intuitiva, a que não é alheia uma portugalidade de brandos costumes e tradições que atravessa toda a narrativa, com referências históricas que nos permitem encontrar o fio narrativo e o paradeiro das várias personagens ao longo de mais de quatro décadas. Uma escrita que ganha intensidade à medida que acompanha o crescimento dos protagonistas, os embates da sua vida adulta, o precipício das suas decisões. A Pátria dos Loucos é um romance de estreia auspicioso que certamente se destacará no panorama da ficção portuguesa.